Cecília Barcellos, a mulher virtuosa

Redação 02/03/2018 Memória
Memória

Cecília Maria de Barcellos nasceu no dia 20 de abril de 1923, na cidade de Quirinópolis, no Estado de Goiás, filha de João Jacinto de Barcellos Filho e  de dona Ambrosina Maria Parreira. Casou-se com  Francisco José  de Mendonça, pioneiro da história anterior aos 17 anos, tendo inclusive, que aumentar a idade, formando uma linda e grande família, sendo mãe de 16 filhos,  oito homens e oito mulheres. Mudou-se para Tangará da Serra ainda na década de 70, mais precisamente no ano de 1971, quando foi morar em uma região rural denominada gleba Açaí. Na época,  a região era ocupada por uma imensa floresta, exigindo de Cecília e de sua família muito sacrifício para resistir aos problemas  como: falta de estradas, doenças e ausência de produtos comerciais. Sempre residiu na Fazenda Lagoa, na gleba Açaí, próximo a região de Palmital e Bandeirantes. Estava sempre disposta para com o trabalho doméstico, na lavoura e para com a produção de farinha e rapadura para manter sua grande família. Usava com eficiência o tear para a confecção de roupas para os filhos. Católica Apostólica Romana, era devota de Santo Reis, realizando sempre em sua residência um grande terço em homenagem a sua devoção. Não foi escolarizada, porém contribuiu para a educação de uma família extensa composta de 16 filhos. “Ela não estudou, porque o pai dela dizia que mulher não precisava estudar, mas sempre fez questão que os filhos estudassem, embora o estudo do sítio fosse fraco, mas todo mundo aprendeu um pouquinho. Ela era tão certa com o estudo, que se a gente chegasse da escola e não fizesse o dever, não podia trabalhar”, conta o filho Alcedino.

Cecília, o exemplo que partiu cedo

Segundo o filho, após a morte do esposo, companheiro de uma vida, Maria passou a se sentir muito triste e solitária. Os filhos passaram então a levá-la para suas casas, mas isso não a agradava. Ela gostava de sua casa, seu canto.
Cecília, que tinha por grande qualidade a vida dedicada ao trabalho e à sua família, faleceu no dia 22 de outubro de 2001 na cidade de Tangará da Serra, após 30 anos de vida ativa em solo tangaraense. “Teve um dia que eu voltei daqui da cidade para o sítio e fui em casa guardar as coisas para ir lá na casa dela tomar bênção. De repente, já escutei os gritos para ir acudir que ela estava morrendo. Coloquei na caminhonete e trouxe no doutor Valmor e ele disse que foi derrame, mas ela não teve nenhum problema. Aí a gente já deixou ela aqui na cidade com as filhas até que um dia jantando, caiu para trás e morreu”.

A homenagem

Como forma de reconhecimento, o Centro Municipal de Ensino “Cecília Maria de Barcellos” leva seu nome. Está localizado à Rua 13, esquina com a Rua 18 s/nº, no Jardim Atlântida. Criado pela Lei nº 3.517/2011 de 20 de junho de 2011, iniciou seus trabalhos em 14 de fevereiro de 2011, havendo a inauguração oficial apenas em 11 de maio do mesmo ano.
A história foi recontada com base no histórico fornecido pelo Centro Municipal.



Notícias da editoria