Diário da Serra

Cadeia produtiva do leite em Tangará da Serra é destaque em Dia de Campo

Fabíola Tormes / Redação DS 23/05/2019 Rural

Ideia foi fomentar a região que tem como predominância a agricultura familiar

O evento foi realizado no Sítio Santa Helena

Buscando maior produtividade e qualidade de vida no campo, que o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas em Mato Grosso (Sebrae) auxilia produtores de Tangará da Serra com conhecimentos teóricos e práticos, no desenvolvimento das atividades da cadeia produtiva do leite. Por meio do Programa Nosso Leite, o Sebrae aponta caminhos para quem está na atividade e pretende ganhar uma nova posição quanto à produtividade e à lucratividade, focando a profissionalização, o melhor aproveitamento de todos os recursos disponíveis e a visão de quem quer empreender, de forma empresarial sustentável, mesmo estando no campo.


E para mostrar, na prática, esse trabalho, o Sebrae e a Vital Alimentos, com apoio da Secretaria Municipal de Agricultura, entre outros parceiros, promoveram o Dia de Campo Nosso Leite. O evento foi realizado no último sábado, dia 18, no Sítio Santa Helena, no Assentamento Antonio Conselheiro, Comunidade 40 lotes, ocasião em que cerca de 60 pessoas, entre produtores e parceiros, participaram. “Foi um evento muito bom, onde pudemos ver famílias com esperanças nos olhos, com perspectivas de melhoria de vida”, avaliam os responsáveis, ao destacar que a ideia foi de fomentar aquela região que tem como predominância a agricultura familiar. “Levando conhecimento do que é o segmento leiteiro, mostrando números, o cenário desse segmento no estado e na região de Tangará e mais ainda mostrando sua viabilidade e rentabilidade para pequenas propriedades inseridas na agricultura familiar”. Outros eventos nessa mesma linha serão realizados, todos no intuito de auxiliar o produtor rural.


O Dia de Campo foi realizado na propriedade do produtor Adriano dos Santos Diaz, ocasião em que os presentes puderam conhecer os resultados do Programa Nosso Leite, além de verificarem in loco o trabalho. “Quando comecei nesse projeto tinha praticamente o mesmo número de vacas, 14 animais (…) e tirava 20, 30 litros de leite. Agora a produção aumentou para 80, 100, até 120 litros por dia e espero chegar a 150 litros/dia, com esse mesmo rebanho, com essa técnica”, descreve Adriano Diaz.


Presente no Dia de Campo, o produtor Ricardo Alexandre Ferreira Cano afirmou que o evento foi uma grande troca de experiências, com informações a serem aplicadas, melhorando a produtividade. Ele, que trabalha ao lado da esposa em uma terra arrendada em frente ao Aeroporto Municipal, tem uma produção diária de 145 litros. Sua produção é comercializada para o laticínio local. 



Notícias da editoria