Diário da Serra

Lamentando falta de apoio, Junqueira retira projeto de compra da Prefeitura

Diego Soares/Assessoria 29/04/2019 Política

Custo do prédio é de R$ 14 milhões e R$ 400 mil

Política

O Prefeito de Tangará da Serra, Fábio Junqueira, encaminhou ao Presidente da Câmara Municipal de Vereadores, Ronaldo Quintão, ofício solicitando a retirada da pauta de votação do parlamento do projeto de lei ordinária número 021/2019 que visava suplementação orçamentária por superávit verificado no exercício de 2018 para possibilitar a aquisição do prédio onde atualmente funciona a prefeitura municipal.

 

Ao solicitar a retirada do PL, Junqueira enfatizou que a opção da compra e instalação definitiva da sede da prefeitura tem a finalidade de investimento e de economia no pagamento de aluguel.

 

O Gestor pontuou que decidiu retirar o PL, considerando a falta de apoio em sua aprovação.

 

“Desde que assumimos a gestão, em 2013, tivemos a preocupação em centralizar a administração pública em um só local, otimizando os atos de gestão e diminuindo a despesa com aluguel”, explicou.

 

O Prefeito frisou ainda que ao concentrar a sede onde atualmente funciona a prefeitura o Município passou a economizar R$ 43.400,00 por mês, ou seja, uma reserva financeira de quase 100% do que antes era gasto.

 

“Antes de assumirmos, o município pagava em torno de R$ 90 mil mensais com alugueis cujos prédios abrigavam uma infinidade de repartições públicas espalhadas pela cidade, em prédios esparsos”, afirmou.

 

 

ECONOMIA  -  No ofício encaminhado à Câmara, Fábio Junqueira pontua que se for considerado a diferença do que se pagava antes, com aluguel de diversos prédios esparsos, ao aluguel pago atualmente, chega-se a valores superiores a R$ 3.500,000,00 de economia.

 

“Ou seja, dinheiro que já foi economizado somente com a redução dos valores anteriormente pagos a título de aluguel”, frisa o Prefeito.

 

“E agora, nesta nova fase, o que se planejava era justamente dar um segundo passo, evoluir, pôr fim aos alugueis, economizar todo o remanescente que atualmente se gasta com essa despesa. Se trata de mais do que se economizar, mas o de se investir. Atualmente o contrato de locação onera a municipalidade em torno de R$ 61.881,28. A compra do imóvel possibilitaria por ano uma economia de cerca de R$ 742.575,36, dinheiro que ao invés de ser gastos com aluguel poderia ser aplicado em investimento e benefícios à população”, informou o Chefe do Executivo.

 

Junqueira salienta ainda que a compra do atual prédio, seria feita com recursos do superávit do ano anterior. “Construir um centro administrativo novo e em uma área adquirida e tendo que dotar a área de infraestrutura demandaria valor superior a mais que o dobro do valor proposto para a presente aquisição. E esta referência pode ser corroborada por qualquer profissional da área. A construção de um novo prédio demanda obra pública de pelo menos três anos, além de que os valores finais como já disse alcança mais que o dobro dos recursos orçamentários que logramos poder usar como superávit para a suplementação orçamentária”, pontuou Prefeito no ofício encaminhado à Câmara.

Notícias da editoria