Diário da Serra

Pais reclamam da falta de psiquiatra para filha especial no CAPS em Tangará

Lucélia Andrade - Redação DS 24/04/2019 Saúde

A adolescente tem problema mental e precisa de acompanhamento

Saúde

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra a situação de um casal que reclama sobre a falta de psiquiatra na Saúde Pública de Tangará da Serra.

 

Na gravação, a família que mora no Jardim Presidente, tem uma filha de 15 anos de idade, que apresenta problema mental e precisa ser acompanhada por um especialista. 

 


Segundo a mãe, a consulta já estava agendada há dois meses no Posto Central. Mas quando ela chegou nesta segunda-feira, 22, com a filha, foi informada que não havia mais psiquiatra atendendo.  

 

A menina, ainda de acordo com a mãe, fazia acompanhamento no Centro de Atendimento Psicossocial (CAPS), por cerca de um ano, mas devido a falta do profissional, passaria a ser acompanhada no Posto Central, o que não aconteceu. 
 

 

“Se olhar nela [filha] é normal, mas a qualquer momento pode ter uma crise e surtar”, disse a mãe na gravação, destacando ainda que foi informada por uma funcionária do local, que a partir de agora psiquiatra era somente pela rede particular. 

 


“Pai desempregado, mãe desempregada...como a gente vai fazer? Os remédios dela corremos atrás, dois deles precisamos comprar e somente um vem pelo Posto Central”, desabafou. 

 


Nossa reportagem entrou em contato com a Secretária Municipal de Saúde, Dienifer Jaqueline Feix, que confirmou que de fato o CAPS não tem psiquiatra, em razão de um pedido de demissão, no entanto a Secretaria está providenciando contratar outro profissional. 

 


Contudo ela explica que na Política de Saúde Mental, não existe determinação do Ministério da Saúde de que o CAPS necessite ter um psiquiatra. “Precisa de um médico com capacitação e isso temos lá no CAPS, que é a Dra Vaneida”, afirma a secretária ressaltando que como parte da equipe há também psicólogo, assistente social e enfermeiro. 

 


Em relação a situação da família, Dienefer destacou que a adolescente pode continuar sendo acompanhada no CAPS.

Notícias da editoria