Somente um foi conduzido em Tangará

Rosi Oliveira / Redação DS 05/12/2018 Polícia

O esquema fazia do órgão público um “balcão de negócios”

PC tenta descobrir “superior"

Uma movimentação na manhã de quarta-feira, 05, chamou a atenção dos tangaraenses quando policiais da Delegacia Fazendária estiveram em Tangará. Logo o motivo veio à tona, sendo o esquema de venda de carteiras de habilitação (CNH) que funcionava no Detran.


Por esse motivo, a Defaz deu início à “Operação Mão Dupla”, que durou pelo menos 10 anos.


Segundo sites da capital, pelo menos 10 autoescolas já foram identificadas e os nomes dos funcionários públicos, donos e empregados de autoescolas também serão divulgados em breve. Quatro veículos de funcionários do Detran foram apreendidos em Cuiabá, Chapada dos Guimarães, Diamantino,  Juína e outras cidades envolvidas no esquema.


Já em Tangará da Serra, apenas um servidor do Detran foi conduzido à delegacia para prestar esclarecimentos e depois encaminhado para Audiência de Custódia onde seria decidido pelo juiz o relaxamento da prisão ou encaminhamento para a capital do Estado onde o inquérito foi aberto. Até o fechamento dessa edição não obtivemos informações sobre a referida decisão.


Ainda ontem, os policiais chegaram ao possível responsável pelo esquema, mas, não descartam que acima dele haja um responsável maior devido ao período que o esquema vigorou. A operação tem como objetivo identificar outros envolvidos.


O delegado apontou que os funcionários públicos envolvidos ostentavam um estilo de vida acima de seus ganhos. Ele explicou que o esquema fazia do órgão público um “balcão de negócios” para compra de carteiras de habilitação sem avaliações teóricas, práticas e sequer as 20 aulas obrigatórias, ou exames de saúde e visão. Com informações do Folhamax.

 

Notícias da editoria